Skip navigation



Vou aproveitar este tempito em que não consigo ainda dormir para escrever as minhas apreciações da Fuji Finepix S9600.

A ideia de comprar uma câmara digital mais ‘utilitária’ surgiu logo que a Canon Powershot A70 (que veio dos States e tudo :D, KEH.COM) da Guida começou a querer fazer efeitos especiais em vez de tirar fotos (:P), e do facto de precisar-mos de registar os pinipeus ( = gatos) e de ter uma câmara pequena e versátil para tirar fotos mais discretamente.
A Nikon D200 (que temos actualmente) é uma excelente câmara, mas é grande e pesada, com todos os defeitos e virtudes de um DSLR, sendo os defeitos aqui mais importantes (:P). Ou seja, andar sempre com objectivas atrás e ter de andar com olho atrás do visor para se ver onde se está a fotografar, e ainda de dar nas vistas cada vez que se tira uma fotografia perto de outras pessoas.
O objectivo era uma câmara pequena, com uma objectiva versátil, rápida, com boa qualidade de imagem, RAW e um LCD que ‘se mexe’, e não muito cara porque, neste segmento de câmaras existem sempre ‘merdices’ que são inerentes à tecnologia que é nelas aplicada. E neste segmento, refiro-me à Panasonic FZ-50, que é também bastante boa, mas não melhor do que o a S9600.

A Fuji é uma marca que me têm marcado pela positiva, embora hoje olhe com algum descrédito para as DSLRs que têm no mercado, ainda tenho a minha Fuji S1pro que embora tenha pouca resolução e ruído em todas as sensibilidades (que é impossível de remover!), tinha e têm um alcance dinâmico imenso e era rápida (não tão rápida como a D200. isso sim é uma câmara muito rápida). Portanto sempre olhei para as Fuji como câmara para fotógrafos e não objectos digitais, até porque o interface da S1pro é um dos melhores que tive até hoje, só gosto mais da Nikon D200 devido ao anel e botões no topo esquerdo da câmara que combina com os que estão à frente a atrás, permitindo controlar tudo sem ter de esperar.

Esta Fuji S9600 é surpreendente! Não têm nenhum estabilizador óptico (ou digital) de imagem, mas nunca senti necessidade disso, além de que desfocado por desfocado, que seja mesmo uma coisa a sério e não um desfocado mais-ou-menos.
Ainda não percebi bem porquê mas conseguem-se tirar fotografias com velocidades muito baixas sem que esta trema. Obviamente não estou a falar de distancias focais de 200 ou 300mm, embora aqui também se consiga tirar abaixo dos 1/200s e 1/300s. Portanto é uma câmara que se segura bem na mão, não é contudo muito robusta mas penso que é normal para este tipo de câmaras. Com a objectiva de 28 a ~80mm conseguem-se tirar fotografias focadas com obturações de 1/8s (a 28mm já tirei a 1/2s), o que abre um novo leque de possibilidades para pessoas que, como eu, muitas vezes só tiram fotografias em interiores de noite, com luz artificial.
Então vamos lá por partes..

O LCD: O LCD ‘que se mexe’ não é dos mais flexíveis se pensarmos em ângulos de rotação, mas faz o trabalho para que é proposto e muito intuitivamente. Também nunca me deixou ficar mal e é quase impensável fotografar animais pequenos e insectos sem isso, é uma sensação semelhante a fotografar com uma câmara de médio formato tipo as Hasselblad, onde a câmara anda muitas vezes ao nível da cintura ou abaixo. Dava jeito alguma protecção, como na Nikon D200 por exemplo, ou existir a possibilidade o rodar para dentro como na Panasonic FZ-50. Contudo, acaba por não ser nada de especial.. até ver nunca lhe fiz um risco ou sujei aquilo. Por outro lado não é uma câmara robusta e não é boa ideia usa-la para fotografar em situações que a possam pôr em risco. O EFV é como o de uma câmara de filmar normal, mas não é nada de espectacular de se ver.. desenrasca :)

Focagem:
Convêm referir alguns aspectos negativos do sistema de focagem desta câmara. Em primeiro lugar a focagem automática é relativamente boa, funciona muito bem quando a luz é boa; bem quando existe pouca luz e estamos a focar entre os 28 e 80mm, e começa a querer procurar (não muito rápido) coisas quando se está nos 200 ou 300mm e a focar em pouca luz. Mas isto é normal neste tipo de câmaras (infelizmente).
O que me desilude na focagem, é quando se foca manualmente (coisa que faço bastante porque foco quase sempre com pouca luz). Ao contrário de uma SLR/DSLR, _não_ existe nenhuma indicação de quando se foca alguma coisa, e a magnificação que esta câmara apresenta no meio do LCD/EFV para auxiliar na focagem não serve absolutamente nada porque a imagem que lá se gera é de tal forma ruidosa que nunca se percebe quando está ou não focada, só funciona quando o que queremos focar tem contraste e a câmara está fixa, um exemplo é algo que tenha letras. Mas regra geral, é melhor olhar-se para a imagem geral apresentada no LCD, sempre se percebe a nitidez no geral embora sem certezas.
Focar manualmente na Fuji S9600 é uma questão de sorte :|

Imagem:
Tal como a Fuji S1pro (e provavelmente muitas outras câmaras da Fuji), a S9600 têm um bom alcance dinâmico e consegue-se obter bom detalhe de zonas escuras (leia-se maioritariamente sombras). Contudo, a vantagem disto em câmaras com o CCD deste tamanho é limitada ao ruído que estas geram nas sombras independentemente da sensibilidade a que tiramos as fotos.
A S9600 têm ruído desde o ISO 80 ao 1600. Em boas condições de iluminação é quase nulo até ao ISO 400 (o que é muito bom). No ISO 800 percebe-se bem o ruído e no ISO 80 só se percebe o ruído em zonas mais escuras, como sombras ou coisas pretas/escuras no geral.
O ruído é aceitável, mas a partir do ISO 200 já não se passa sem o Neat Image e reduções do tamanho de imagem. Isto porque a S9600 têm uma forma estranha de juntar os pixeizinhos em altas sensibilidades. Não faço a mínima ideia da razão disto, nem tão pouco me interessa, mas a 100% parecem existir zonas esbatidas em toda a imagem, uma espécie de ilhéus em diferentes áreas da imagem. É difícil descrever, mas ao reduzir a imagem isso desaparece :P.
Mais vale pensar na Fuji S9600 como uma câmara de 9MP até ao ISO 100 e de 6MP do ISO 200 ao ISO 800, de 3MP no ISO 1600. E penso que têm um ISO 3200 que reduz automaticamente a imagem, mas nunca o testei. Dito isto, convém lembrar que dentro do segmento é provavelmente a melhor a nível de ruído.
Para mim isto é indiferente. 6MP é suficiente, não o ideal, mas é suficiente. Para trabalhos a sério usa-se a D200 ou uma câmara do mesmo género, que não tem estes problemas com ruído. A Fuji S9600 é excelente ainda para se tirar fotografias de longa duração e especialmente em interiores – que, pelo menos os meus, têm muita sombra -, porque no ISO 80 e 100 têm pouco ruído, e não tem qualquer problema na imagem em exposições prolongadas, que são limitadas as 30 segundos, não é nenhum modo Bulb, mas já é bom.

Exposição:
Expõe bem, em modo automático tende a sob-expor. Como só uso o modo manual ou automático, não testei os modos de prioridade e muito menos daquela palhaçada com as figurazitas da noite, muito sol e essa treta toda. Não que tenha alguma coisa contra isso, mas para mim só está lá a ocupar espaço.

Interface:
O interface da câmara, quer como objecto e como software, é bom. É pena não ter um anel independente para regular a abertura da objectiva, só têm para controlar a obturação. E os modos de focagem macro podiam estar mais acessíveis. A nível do software têm um grande defeito, que reside na escolha de RAW ou JPEG. A principio fica escondido, depois quando se sabe onde está, demora-se muito tempo a lá chegar. E isto é importante pela seguinte razão…

Tempos:
Estas câmaras não são nenhuma dSLR. Mas esta pelo menos é rápida quando grava em JPEG, o atraso entre disparos é praticamente inexistente, mas é notória a diferença entre disparar com a S9600 e a D200, a D200 nunca pára nem nunca se atrasa seja em RAW ou em JPG. Existe um modo de fazer três disparos contínuos, que é bom, mas são só 3 fotos! Em modo RAW, com um Sandisk CF 2GB Extreme III, demora cerca de 5 segundos a gravar. E são 5s que se tem de esperar para o próximo disparo, quando se fala em animais, é MUITO tempo.
O flash é rápido a recuperar desde que não use a potência toda, senão demora uns 6 segundos a voltar a funcionar. E funciona bem até. É pena que não se possa alternar entre modo RAW e JPG mais facilmente porque ando sempre a alternar entre fotografar gatos e interiores do mesmo espaço, e se o espaço fica à espera, os gatos não.. alternar modos de RAW para JPG (para os pinipeus) demora demasiado.

Bateria, Ligações, Cartões e coisas chatas:
Aceita dois tipos de cartão, eu só uso CF. E o limite máximo é de 2GB. Usa pilhas normais daquelas NIMqualquercoisa, e duram bastante, ao ponto de não ter sido nunca uma preocupação. A nível de ligações têm as habituais com destaque para uma ligação, já existente na S1 pro, que liga a câmara directamente à corrente. O cabo não vem com a câmara, eu já o tinha, e dá muito jeito quando se está a tirar fotos em estúdio ou quando as pilhas acabam e têm que se descarregar fotos para o pc. Relativamente ao software, só vi o hyperutility (acho), é bom para ver imagens apenas. Normalmente faço a edição do Photoshop ou no Adobe Camera Raw, e uso o Picture Bridge (da Adobe também) para ver imagens. Na S1 pro o software permitia tirar fotografias por time lapse.. ainda não sei se esta dá.. quando tiver tempo e me lembrar disso, faço um post.

Mais sobre o Flash:
O flash que vêm com a câmara funciona bem, é tão bom como qualquer outro flash que só aponta numa única direcção. Não sei bem o alcance que têm, mas também é coisa que não uso muito.
Mas a S9600 têm uma ‘sapata’ para um flash externo, não tem muitas conexões, não sei se consegue medir a luz através da lente ou não.. de facto, não sei que raio de flash é que aquilo aceita. Não é referido nas especificações nem na brochura de acessórios… e não tenho cá o manual agora para ver também.
Experimentei com o Metz Mecablitz 36C-2 e funciona bem. Não creio que a conecção para flashes externos consiga transmitir informação através das lentes (TTL), e estou reticente em usar o Nikon SB800 que aqui tenho, porque não sou nenhum técnico de equipamentos fotográficos e ainda posso estragar aquilo.
O flash externo, contudo, trás uma nova alegria a esta câmara e expande imenso o leque de ‘oportunidades’ que se podem capturar, o ideal era arranjar um flash todo ‘manual’ mas a cabeça com rotação em dois eixos. É ver o que a Metz, Vivitar, Sunpak (que me lembro agora) têm para oferecer.. e se vale a pena comprar.
ah! É o possível sincronizar a 1/1000s! :)

Resumindo, gosto bastante desta câmara! Custou 370€ na redcoon.pt, agora já deve estar mais barata. É versátil, 28-300mm, não é uma objectiva muito rápida: 2.8 – 4.9, mas funciona sempre bem, mais se tivermos em conta que se consegue manter focada com obturações lentas.
De resto, é muito boa de manusear, estável e flexível independentemente de onde se encontra o que queremos fotografar, e com uma gama se sensibilidades que DE FACTO se podem usar (tirando o iso 800 e 1600).
Só lhe tenho a apontar o facto de não ter um sistema de focagem manual decente, de não ser tão rápida em modo RAW como gostava, e por último, de não focar mais rápido com pouca luz artificial e nos 300mm em condições não favoráveis mesmo com uma iluminação decente.
Mas é uma câmara boa, capaz de excelentes resultados se tivermos em conta as limitações que são inerentes a este tipo de câmaras, nomeadamente ao nível do ruído acima do ISO 100 (que embora funcional já requer alguns cuidados especiais), da velocidade de focagem com pouca luz e velocidade de gravação em modo RAW. Mas isto são tretas para um preço destes.

Não é uma câmara boa para pós-edição, devido ao ruído sempre presente, que embora seja ínfimo no ISO 80 e ISO100, ao tratar a imagem é natural que começa a salientar-se. Mas para isto existem as SLR digitais.

Qualquer pergunta/correcção, basta comentar :)

3 Comments

  1. Vou comprar uma aqui no Brasil em um preço muito bom pois aqui no Brasil tudo em matéria de câmeras é caro.
    Foi bom ler seu review, pois estava na dúvida sobre ela e vi em outros fórum e locais que a câmera é boa e com o seu review decidi mesmo comprar.
    Sou iniciante em fotografia e acredito que para mim que vou comprar para estudar está mais do que bom uma câmera dessas.
    Sucesso aí!

    • Izo
    • Posted Maio 24, 2009 at 9:48 pm
    • Permalink

    Não consigo descarregar as fotos para o pc, o que faço? tentei seguir as instruções do manual, mas tudo em inglês.. não entendi bem…

    é o seguinte, as pilhas estão ok, o cabo.. tentei vários e várias entradas usb, instalei o software da camera, mas o pc não reconhece-a…

    me ajuda, por favor

    abraço

    • drkosmos
    • Posted Maio 25, 2009 at 12:44 pm
    • Permalink

    Olá Izo!
    Nunca tive esse problema, por isso as únicas coisas que me lembro e que o podem ajudar são as seguintes:
    – antes de ligar a câmara ao pc veja se está desligada e, após a ligar ao pc, certifique-se que a liga de novo na posição adequada para visualizar fotos (2ª posição do botão ‘on’).
    – tente trocar o cabo usb, a Fuji e as Nikon usam esse tipo de entrada, pelo que deverá encontrar em lojas cabos USB novos que funcionem.
    – não é necessário software para ver as fotos que estão na câmara, o windows/linux e provavelmente o Mac, ao conectar a câmara ao PC, reconhecem uma nova unidade e, no caso do windows por exemplo, a partir do Explorer é possível aceder a todo o conteúdo da câmara.

    Se isto não funcionar, e assumindo que o seu sistema operativo detecta bem outro tipo de dispositivos USB, o melhor ir a uma loja ou representante mais próximo e expor o problema. Eles estão lá é para alguma coisa ;)

    Boa sorte!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: