Skip navigation


Vou começar por falar destas entidades – lojas e ‘fabricantes tugas’ -, antes de partir para as bicicletas em si, que é um tema bem mais interessante.

Prime WRC

Decidi ontém, após ter cometido o erro de encomendar um quadro Prime WRC (porque é barato, 70€, e supostamente seria mais adequado do que o actual e vinha sem autocolantes. É o da imagem em cima), que nunca mais vou gastar dinheiro em quadros que têm lá o autocolante de alguma marca portuguesa. As marcas com que tive alguma interacção foram a Órbita, VAG e agora a Prime. E por detrás disto estão alguns motivos: como um serviço que teima em não existir; falta de informação crucial na compra de quadros (pelo menos) quer em coisas que se assemelham a sites como nos revendedores; e por último, pelo facto de venderem (porque os fabricantes já nem parecem criar nada) productos desligados de quem usa, de facto, a bicicleta. Este último ponto é, para quem tem alguma experiencia em andar de bicicleta, fácil de constatar ao olhar para os quadros, com um leque pequeno de tamanhos disponíveis, geometrias que ninguém parece conhecer (até o próprio fabricante, que deve chegar lá à fabrica da China ou Tailândia e compra a olho), e uma oferta limitada ou disparatada (VAG e Órbita) relativamente à relação preço/peso.

Se enfiarmos isto tudo num saco, a forma não é das mais atractivas e até parece assumir a de charlatão se as compararmos com qualquer marca de qualquer outro país. Para mim, nem parece assumir nada, é de facto um negócio do género dos bancos (= vigarista).

Tenho ainda curiosidade em conhecer a Masil, já que soube que fazem quadros à medida em aço. Mas sem informação disponível em lado nenhum, as expectativas já são baixas.

Um outro aspecto disto do negócio das binas é a loja local (que são aquelas abreviaturas nos textos em inglês, as LBS, Local Bike Shop). Só conheço as lojas de Leiria, e para falar a verdade, não gosto de nenhuma.
Assim por alto, um problema que penso que toda a gente se depara é o vendedor pressionar o cliente a comprar o que têm por lá. E isto, na maioria dos casos, é grave. Um exemplo é a venda de bicicletas. Se o tamanho que lá têm for um pouco mais pequeno ou maior para quem vai comprar, pouco lhes interessa. Querem é vender a todo o custo. As consequências disto são graves para quem acaba por comprar a bicicleta, dado que ao contrário de se divertir, vai passar a vida desconfortável em cima do que comprou, fazendo justiça ao dizer “Comprar uma coisa para amassar o corpo? Só se fosse masoquista!”.
Mas afinal de contas, lá na óptica do vendedor, para que serve essa coisa da geometria ? ‘óh minha sinhora! isso mais coisa menos coisa, vai tudo dar ao mesmo’…

Um outro problema, ainda comum, é que tudo o que não se vende numa determinada loja é uma porcaria. O que têm tendência a afunilar (o que é para ser entendido literalmente, afunilar de inteligência por exemplo :P) para o que parece ser uma guerra de marcas.

Por último, temos o senhor que queria ser vendedor de carros mas vende bicicletas, e fala em coisas disparatadas como: “se vender daqui a uns tempos têm mais valor”, “olhe que é um bom negócio! não se vai arrepender!”, “isto é uma marca que têm muito valor no mercado”, e coisas deste género.
É disparatado porque nenhuma bicicleta tem mais valor do que outra, não que a marca não faça diferença, mas ninguém que compra bicicletas usadas liga a isso (eu não ligo, pelo menos :P). Nem as bicicletas são uma amalgama de coisas misteriosas que ninguém conhece. É facil comprar componentes à parte e informação sobre os mesmo não falta, é publica e feita para o consumidor final. Ah, e são baratos! (pelo menos a maioria das coisas). E bicicletas não são investimentos! a não ser que se queira competir.

Existe ainda quem não ligue ao peso dos materiais, que é um factor importante, e só discordará disto quem nunca subiu nada com uma bicicleta.

Por último temos o preço. Eu compro normalmente em lojas alemãs como a bike-components.de, bike24.net, actionsports.de. Também já fiz compras na Fizzbikes (Luxemburgo, e não se arranja muita variedade, mas o que há, costuma ter bom preço) e raramente na Chain Reaction Cycles (Reino Unido), e Pato Cycles (aqui em Portugal). Também espero poder contar com a The Barracuda Company (loja belga), e Speedgoat (em Pennsylvania, nos EUA, e loja onde se contram Voodoo’s entre outras marcas bem interessantes). As diferenças só se notam nas coisas mais caras. Por exemplo, um quadro Kona Explosif, aqui custa 500€ mas ‘lá fora’ custa 370€. Uma suspensão RockShox REBA Race dual air de 2008, custa 379€ (c/ transportes) e aqui custa à volta dos 470€. Em peças mais baratas o preço ou é igual ou não compensa comprar pela ‘interweb’. Em bicicletas completas já é melhor comprar aqui, já que se pode testa-la antes de comprar e a diferença de preço, pelo que vi, não é nada de extraordinário.

Para mim, existem ainda o problema de tudo o que é de ‘nicho’. Dado que aqui vende-se tudo o que é ‘comercial’, aposta-se muito em marcas como a Specialized, Scott, GT e Trek. Têm coisas boas, mas não oferecem produtos como a Surly, a On-One, Voodoo e a Salsa por exemplo. E que forçosamente se têm de mandar vir da europa ou dos states.

Por isso posso concluir que para mim não há nada aqui em Portugal a não ser a compra de peças pequenas. E desde os produtos ‘portugueses’ às lojas e respectivos vendedores, só me ocorrem as palavras inadequação e frustração. Com maus produtos, preços estranhos (até me atrevia a dizer, preços de “novo rico”), gente parada no tempo e com pouca sensibilidade para esta coisa das bicicletas.

Excepções são algumas lojas que não chateiam ninguém (são 3 apenas) e a um distribuidor (infelizmente) excelente que á a Bicimax.

Segue-se um texto sobre as bicicletas onde será mais fácil perceber a razão deste ponto de vista sob as lojas e bicicletas, e aproveito para falar de marcas sem ser portuguesas. Mas segue-se.. daqui a uns tempos, não é para já!

12 Comments

    • chupa-mos
    • Posted Novembro 23, 2009 at 5:27 am
    • Permalink

    o quadro prime wrc é um bom quadro. tenho 19 anos de experiencia no ciclismo e ja corri como sub-23 no boavista.

  1. Boa Tarde,

    Segue anexo a apresentação de nossa empresa.

    Fazemos as seguintes regiões:

    -Espírito Santo.
    -Rio Grande do Sul.
    -Região metropolitana da Bahia.
    -Região metropolitana de Sergipe.

    Nossos veículos são todos rastreados e com seguro.

    Qualquer dúvida estou a disposição.

    Att.

    TELEFONE: 11-2279-5415

  2. Boa Tarde,

    Segue anexo a apresentação de nossa empresa.

    Fazemos as seguintes regiões:

    -Espírito Santo.
    -Rio Grande do Sul.
    -Região metropolitana da Bahia.
    -Região metropolitana de Sergipe.

    Nossos veículos são todos rastreados e com seguro.

    Qualquer dúvida estou a disposição.

    Att.

  3. Uma pessoa com uns conhecimentos tao alargados em ciclismo e com um sentido critico tão forte destinado a pessoas ou entidades que tentam fazer algo ou que pelo menos estao no mercado, ainda nao teve oportunidade de ir a um Banco ( se for necessário ) pedir um financiamento e criar algo que estja de encontro ao seu ideal de perfeiçao ?
    Nao critique tanto e faça melhor se for capaz

    • M.
    • Posted Novembro 26, 2010 at 2:56 pm
    • Permalink

    Excelente oportunidade para si. Se está tudo tão mau, faça você mesmo… tem uma óptima oportunidade de negócio. Força com isso. Pena que agora todos percebam que existe uma oportunidade, vai ter mais concorrência, mas isso é bom para todos nós. Mais uma vez, muitos parabéns por ter descoberto uma oportunidade de negócio tão interessante.

    • Newton Almeida
    • Posted Janeiro 17, 2011 at 1:32 am
    • Permalink

    Exmos. Senhores,
    O meu nome é Newton Almeida,
    Tenho 21 anos,
    Estou a residir em Odivelas,
    Sou natural de Angola e tenho dupla nacionalidade angolana e portuguesa.
    Tenciono criar uma actividade empresarial no meu país de origem, Angola.
    Procuro parceiro ou fornecedor para o fabrico/montagem de bicicletas em Angola, com vista ao mercado do país.
    Gostaria de saber da vossa disponibilidade para esta acção e de que forma tencionavam intervir (simplesmente como fornecedores ou como parceiros)
    Na expectativa de vossas noticias, recebam os meus cordiais cumprimentos,

    • Wesley
    • Posted Julho 1, 2011 at 8:43 pm
    • Permalink

    Sou de Brasília e tenho 33 anos, estou entrando no ramo de Bikes meu SITE está em construção estou aprendendo. Queria saber sobre o mercado de vendas de Bikes em Angola?das de Bikes em Angola?

    • Wesley
    • Posted Julho 1, 2011 at 8:44 pm
    • Permalink

    Sou de Brasília e tenho 33 anos, estou entrando no ramo de Bikes meu SITE está em construção estou aprendendo. Queria saber sobre o mercado de vendas de Bikes em Angola?

    • Wesley
    • Posted Julho 1, 2011 at 8:48 pm
    • Permalink

    Dos fabricantes das importaçoes do mercado em geral.

    • Wesley
    • Posted Julho 1, 2011 at 8:52 pm
    • Permalink

    Do mercado de importação em geral.

  4. Ympek: devo lembrar que não passaram muitos anos e a nossa industria das duas rodas era importante no produto interno do pais na fabricação e exportação. O que quer dizer que os profissionais implicados eram muito bons, os governantes é que eram muito maus.
    Em Portugal fazíamos bons quadros em ferro, pedaleiros, selins, rodas completas 100% nacionais. Dessa industria ainda temos a Tabor que fabrica os selins e a rodi que exporta e equipa com as suas rodas varias equipas de ciclismo em todo o mundo. E, a prova do nosso profissionalismo é a durabilidade dos nosso produtos (bicicletas) que rolam com 30/40 anos, muito procuradas e copiadas.
    A ympek é uma marca de bicicletas registadas, que procura fazer jus a tudo que aqui já foi dito! Fabricar as suas bicicletas com pelo menos 70% de produto nacional. Teremos de tentar reabilitar algumas industrias já desaparecidas, ou melhor eliminadas. Infelizmente com os quadros de alumínio, mudanças e suspensões nunca vai ser possível produzir em Portugal. Mesmo os pneu, só se for marca internacional Madine Portugal.
    Era muito bom, que algunsdos críticos de facto começassem por fazer melhor! A começar por excluir os produtos mencionados estrangeiros que nada de proveito nos trazem. Piada: quando não podemos caçar Coelho com arma, Eu explico como o podem fazer com produto totalmente nacional! 50 metros de fio com uma cenoura amarrada numa das pontas, estica-se o fio que passa por baixo de um paralelo. Quando o Coelho quiser comer a cenoura, puxamos lentamente o fio até perto do paralelo e 50cm antes puxamos totalmente o fio a cenoura encosta ao paralelo e o Coelho porque no paralelo bateu com a cabeça, atordoado cai.

    • GERALDO GARCIA
    • Posted Agosto 20, 2015 at 12:48 am
    • Permalink

    Good morning ladies like to introduce myself.
    I am technician researcher on bicycles and designer innovation worldwide
    and create
    02 BICYCLES ARE MODELS EXCLUSIVE Worldwide
    High-performance high-tech innovations worldwide
    ARE FOR SALE IN BRAZIL
    HIGH TECHNOLOGY AND NEW CONSEITOS
    TO BE PRODUCED BY A GREAT NOW

    ARE 02 BELISSIMA INNOVATION ARE SOLUTIONS
    ARE FOR SALE IN BRAZIL
    JUST FOR BICYCLES MANUFACTURERS
    Model 1 bike type Moutain TRAIL CITY
    Model 2 Moutain bike type TRAIL POWER
    Derivation IN A TOTAL OF 10 MODELS ESCLUSIVOS GLOBAL MARKET level
    Model 3 INNOVATION SYSTEM 1 SAFETY TIRES
    Motorcycles and bicycles PATENTIAVEL.
    Price $ 1,000,000 TOTAL
    Tax free model to.
    Geraldo GARCIA INNOVATION DESIGNER
    CONTACT: equacaoindustrial@yahoo.com.b
    BRAZIL
    THANK YOU.
    Reply, Reply All


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: